sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Too hard

Quem me conhece um pouco, sabe que eu sou extremamente carente. Nunca tive muitos relacionamentos, nunca conheci muitas pessoas, não tenho muitos amigos presentes na minha vida, nunca tive uma história de amor com final feliz. Todas essas coisas sempre me incomodaram e machucaram, mas nunca consegui fazer nada contra isso. Espero mudar essa história, já que estou começando do zero em Sorocaba.
Acho que vou conseguir melhorar a parte das amizades e perder um pouco do medo e da timidez na hora de me relacionar, mas ainda assim tenho medo de ficar sozinho. Já me perguntaram sobre o futuro, como vou ficar daqui a alguns anos, já que, infelizmente, são raros os homens gays que realmente queiram algo bom e duradouro, e eu não sei como responder a isso. Tenho muito medo de ficar sozinho.

Quero amar, quero me apaixonar perdidamente por alguém e quero ser amado. Quero alguém que ande de mãos dadas comigo. Quero alguém presente na minha vida. Quero brigar por coisas idiotas e pedir desculpas com um beijo. Quero que alguém me abrace quando estiver triste. Quero que alguém diga que me ama.

Ficar sozinho é a pior coisa que existe. Desde que assumi minha homossexualidade, eu não tenho mais mãe; meu pai nunca foi presente e, na verdade, nem quero que seja; meu irmão consegue ser muito desagradável e não nos damos tão bem quanto poderíamos; minha irmã, o amor da minha vida, está afastada de mim com seus próprios problemas e falta de tempo; o homem que eu mais amo e mais gostaria que estivesse aqui, mora em outro estado, nossa história não terá um final feliz.

Porque as coisas tem que ser tão difíceis?

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Spreading Wings

Finalmente estou no meu próprio apartamento. Quem soube como as coisas foram logo no início do curso da faculdade, sabe como eu estava ansioso por isso. É uma sensação engraçada. Eu já sabia que isso ia acontecer cedo ou tarde, não tenho quase nada no apartamento (não tem nem fogão ou geladeira) e ele nem é grande ou num lugar bom, mas ainda assim fico ansioso para voltar para lá e simplesmente ficar no meu quarto ou algo assim. Não faço nada de interessante lá (pelo menos ainda não), mas a sensação de liberdade é incrível. Me faz pensar no que vou sentir quando sair de casa definitivamente.

Essa sensação de liberdade (e de responsabilidade) é o que me faz feliz por estar na faculdade.


PS: que os deuses, anjos, espíritos, demonios e a galera toda me protejam. Tenho prova de Cálculo Diferencial Integrado amanhã.

sábado, 3 de outubro de 2009

True magic

Mudando um pouco o clima dos posts, vou comentar uma coisa que eu vou fazer amanhã. Quem me conhece sabe que sou apaixonado por diversos tipos de arte, mas que pude realizar poucas coisas artísticas na minha vida (com exceção do teatro e das coisas que escrevo). Isso vai mudar um pouquinho amanhã. Vou começar um curso de dança. São poucas aulas e é um estilo específico (zouk), mas ainda assim é um começo e uma coisa boa pra esquecer um pouco das preocupações.
Ainda tenho muitas coisas que quero fazer e aprender no futuro, seja em cursos, com amigos ou como um autodidata mesmo. Dança, música, moda, cinema, fotografia, teatro e literatura. A vida é muito simplória, cinza e inútil sem a arte, que é a verdadeira magia e uma das pouquíssimas coisas boas que o homem sabe fazer.
Que a vida de vocês seja cheia de arte e cores. Que a minha vida passe a ser assim também. Ainda não é, mas aos poucos serei um artista de respeito, mesmo que apenas eu saiba disso.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

A small hope (Nathalia)

É engraçado como um pouco de diversão e algumas risadas melhoram nosso ânimo. As coisas continuam muito complicadas, com muitas coisas da faculdade pra fazer, família ainda me prendendo, minha timidez absurda que tanto me irrita e o apartamento que ainda não consegui, mas só por ter encontrado algumas amigas novas (e, provavelmente, um amigo também) tudo parece estar mais tranquilo.

Conheci muita gente nova desde que entrei na faculdade, mas só agora estou conquistando amizades. Para mim, não basta conversar de vez em quando e ajudar nas horas de necessidade. uma amizade é muito mais que isso. Não vou perder meu tempo tentando explicar como me sinto sobre isso, sei que não vou poder me explicar direito.

Pra encerrar esse post eu vou colocar uma música que escrevi para uma amiga minha, numa época não tão boa de sua vida. Coincidentemente ela tem o mesmo nome da garota que serviu como minha pequena fonte de esperança nessa época conturbada.



"Nathalia"

Oh, Nathalia
You can’t go on
You can’t move on
There’s no one to help you
There’s no one to praise you
Nathalia
You’re on your own

There was a girl
And she was living her life
With her friends
And all her loves and joy
Life was good
And there was nothing to hide
But then she found out
She was falling behind

So run girl (run girl)
You have to run
(Go away)
Till there’s nothing to harm you
(So go girl)
You have to move on
(Live your life)
Till there’s nothing to hide you

Oh, Nathalia
You have to go on
You have to move on
There’s nothing to stop you
There’s nothing behind you
Nathalia
You must be strong

She was a fool
Must learn to love herself
And she was drowned
By the tears that she cried
And those same tears
Makes her eyes oh so blind
That she can’t see
All the light in her heart

So fight girl (fight girl)
You must stay and fight
(Don’t run away)
Cus’ there’s nothing to kill you
(So stay girl)
We promise to help you
(Stand your ground)
And nothing’ll defeat you

Oh, Nathalia
You can win this fight
You can win in life
There’s just one thing to do
There’s just one way for you
Nathalia (Nathalia)
You have to believe in
Nathalia (Nathalia)
This song is made for you
Nathalia (Nathalia)
You are not alone
Nathalia (Nathalia)
You have to believe in
You have to believe in
You must believe in
Nathalia